“Não temos livros para ler aos nossos filhos que mostrem o nosso tipo de família”

Posted by

Ainda temos muito poucos livros infantis sobre a realidade das nossas famílias.
Numa pesquisa exaustiva em várias livrarias, blogs e sites sobre livros infantis e o tema LGBT, foi possível encontrar cerca de quatrocentos livros infantis onde o tema LGBT está presente.
Na maioria dos livros, o tema LGBT, seja a presença de pais do mesmo sexo, crianças com diferentes identidades de género ou familiares gays, desempenha um papel central no desenrolar da história.
Embora consideremos importante que isso aconteça, é igualmente importante que existam livros infantis sobre os mais diversos temas e fantasias, onde crianças com pais do mesmo sexo ou crianças com diferentes identidades de género são apenas um dos personagens, igual a todos os outros. .
A verdadeira igualdade vem de serem tratadas, na verdade, como iguais. Precisamos de princesas lésbicas, reis com diferentes identidades de género e super-heróis, fadas ou elfos com duas mães ou dois pais.
Nos livros infantis muitas vezes as histórias são contadas através da personificação dos animais, e também neste universo temos que ter famílias com diferentes configurações.
Um dos livros mais icónicos, e se eu puder ser melhor alcançado, no universo de livros infantis com o personagem principal com duas mães, Heather Has Two Mommies é um livro infantil escrito por Leslie Newman com ilustrações de Diana Souza e Dana Kingsbury, publicado pela primeira vez em 1989. O Google Books descreve-o como “o primeiro livro infantil sobre temas lésbicos já publicado”.
De acordo com as próprias palavras do autor, Lesléa Newman relatou:

“A idéia para Heather surgiu um dia quando eu estava a andar pela Main Street em Northampton, Massachusetts. Uma cidade conhecida pelo seu liberalismo, tolerância à diferença e elevado número de população lésbica. Nesse dia em particular encontrei uma mulher que, junto com sua parceira, recentemente havia recebido uma criança em casa. “Não temos livros para ler à nossa filha que mostrem o nosso tipo de família”, disse a mulher. “Alguém deveria escrever uma.”